tableaupublic            



Portal de Estatísticas Oficiais                     

Menu

tableaupublic            

Newsletters

Não perca tempo, subscreva já as nossas newsletters e passe a receber informação na hora...

Subscrever

Subscreva as nossas newsletters:

Estatísticas da Justiça

Justiça

Newsletters

Não perca tempo. Subscreva as nossas newsletters e passe a receber informação na hora...

No final do 3.º trimestre de 2022

Número de postos de trabalho na Administração Regional da Madeira era de 20 806

De acordo com a informação divulgada pela Direção Geral da Administração e do Emprego Público (DGAEP) - entidade responsável pela compilação da informação relativa aos recursos humanos dos órgãos e serviços da administração do Estado a nível nacional - que publicou anteontem, dia 14 de novembro, a Síntese Estatística do Emprego Público (SIEP) para o 3.º trimestre de 2022, existiam 20 806 postos de trabalho na Administração Regional da Madeira (ARM) a 30/09/2022. Em relação ao trimestre anterior, a variação foi de +127 postos (+0,6%), verificando-se em termos homólogos um aumento de 427 postos (+2,1%). Comparativamente ao final de 2011 houve uma diminuição de 547 postos (-2,6%).

Por sua vez, o Instituto de Segurança Social da Madeira, que segundo a classificação de unidades institucionais deve ser apresentado separadamente da ARM, contabilizou 1 277 postos de trabalho em 30/09/2022, diminuindo 23 postos (-1,8%) face ao trimestre anterior. Em termos homólogos verificou-se uma redução de 69 postos (-5,1%). Em comparação com 31/12/2011 havia menos 134 postos (-9,5%).

Emprego administracao publica PT novo

Todos os subsectores observaram crescimentos face a setembro de 2021. A Administração Regional dos Açores (+3,1%) liderou os aumentos, seguida da Administração Local (+2,9%) e da Administração Regional da Madeira (+2,1%). A Administração Central (+0,9%) e os Fundos de Segurança Social (+0,3%), registaram os crescimentos menos significativos. A variação média homóloga no conjunto das Administrações Públicas foi de +1,3%.

Comparativamente ao trimestre anterior, só os sectores da Administração Local (+1,3%) e a Administração Regional da Madeira (+0,6%) apresentaram crescimento. Todos os outros subsectores registaram diminuições, os Fundos de Segurança Social (-0,6%) e a Administração Regional dos Açores (-0,5%), reduções essas inferiores à média do conjunto das Administrações Públicas, que foi de -1,0%. Na Administração Central, a queda foi de 1,6%.

A análise dos dados referentes ao emprego no sector institucional das administrações públicas a nível nacional, para o período compreendido entre dezembro de 2011 e setembro de 2022, evidencia reduções nos subsectores dos Fundos de Segurança Social (-13,5%), na Administração Regional da Madeira (-2,6%) e na Administração Central (-0,1%). Os outros subsectores observaram aumentos, sendo os de maior dimensão relativa, os operados pela Administração Regional dos Açores (+15,4%) e pela Administração Local (+5,1%). A média do conjunto das Administrações Públicas foi de +0,8%.

No que diz respeito à desagregação por cargo, carreira e grupo, o mais representativo é o do pessoal docente com 28,6%, seguido dos assistentes operacionais e dos assistentes técnicos, com 25,7% e 14,4% do total, respetivamente. A contratação de trabalhadores para carreiras de assistente operacional (saldo entre entradas e saídas de +157), técnico superior (+116), assistente técnico/administrativo (+48), médico (+34), outro Pessoal de Segurança (+20) e de técnico da Administração Tributária e Aduaneira (+13) explica o crescimento homólogo global verificado no 3.º trimestre de 2022.

Analisando a repartição do emprego público por tipo de entidade, observa-se que no 3.º trimestre de 2022, os Estabelecimentos de Educação e Ensino Básico e Secundário concentravam 40,4% do total dos postos (41,4% um ano antes), seguido das Entidades Públicas Empresariais Regionais, com 29,2% (29,5% no período homólogo) e das Direções Regionais com 18,8% (17,8% no final do 3.º trimestre de 2021).

A ventilação por Secretaria Regional (S.R.), mostra que a S.R. da Educação, Ciência e Tecnologia é a responsável pelo maior número de trabalhadores, com 9 871 postos de trabalho (47,4% do total da ARM), enquanto as restantes Secretarias mantêm volumes de emprego compreendidos entre os 213 (S.R. de Mar e Pescas) e os 939 (Secretaria Regional das Finanças) postos de trabalho.

Em julho de 2022, a remuneração base média mensal na ARM era de 1 561,23€, superior em 0,1% à média global das Administrações Públicas, enquanto o ganho médio mensal (que corresponde ao agregado das remunerações de base, prémios, subsídios ou suplementos) fixava-se em 1 815,61€, sendo mais baixa que a média global em 0,5%. Face a julho de 2021, a remuneração base média mensal na ARM cresceu 0,1% e o ganho médio mensal diminuiu 1,2%.

As empresas públicas que não foram classificadas dentro da ARM tinham a 30 de setembro de 2022, 2 466 postos de trabalho, mais 23 (+0,9%) face ao trimestre anterior e mais 78 (+3,3%) em termos homólogos. Face a dezembro de 2012 (período mais recuado para o qual existe informação para este tipo de empresas), o número de postos aumentou em 160 (+6,9%).

Por sua vez, as onze câmaras municipais da RAM concentravam no período em referência 3 234 postos de trabalho, menos 3 (-0,1%) que no trimestre precedente e menos 39 (-1,2%) que no final de setembro de 2021. Nas juntas de freguesia da RAM, trabalhavam 171 pessoas a 30/09/2022, menos 1 posto (-0,6%) que no trimestre anterior e mais 18 (+11,8%) em termos homólogos. Comparativamente a 31/12/2011, as Câmaras Municipais aumentaram o seu efetivo em 41 (+1,3%) e as juntas de freguesia em 2 (+1,2%) trabalhadores.

Para mais informação aceda a:

Cooperação Estatística Internacional

MAC14 20

Cooperação Estatística Internacional

MAC14 20

Literacia Estatística

formation3

Literacia Estatística

formation3
Go to top