Na 1.ª quinzena de maio

Percentagem elevada de empresas assinalou dificuldades no cumprimento dos requisitos de higiene e segurança necessários para a retoma da atividade

A Direção Regional de Estatística da Madeira divulga hoje os resultados da 1.ª quinzena de maio de 2020 do COVID-IREE – Inquérito Rápido e Excecional às Empresas, operação estatística criada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e o Banco de Portugal (BdP) para avaliar os efeitos da pandemia COVID-19 no tecido empresarial nacional.

Para a RAM – região cuja recolha de informação é feita pela Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM) – a taxa de resposta global na referida semana foi de 92%, representando 91% do pessoal ao serviço (NPS) e 96% do volume de negócios (VNN) das empresas da amostra. Tal como nas semanas anteriores, estas percentagens foram substancialmente superiores às verificadas no conjunto do país (62% na taxa de resposta global, representando 65% do NPS e 75% do VVN da amostra).

Note-se que o inquérito na sua génese teve como objetivo apurar dados para o país, não estando desenhado para apuramentos ao nível de Região, sendo que a informação apresentada para a RAM corresponde exclusivamente aos dados das respostas obtidas, sem qualquer extrapolação. Por essa razão também, o conjunto de informação divulgada é reduzido, mormente quando comparado com a informação que tem vindo a ser disponibilizada no âmbito do COVID-IREE pelo INE.

Atendendo ao grau de variabilidade observado na frequência semanal das principais variáveis recolhidas e visando não colocar uma carga excessiva sobre as empresas que respondem, o inquérito passou a ter uma frequência quinzenal. Face às edições anteriores, a maior parte das questões foram mantidas, tendo sido no entanto introduzidas novas questões para acompanhar as alterações na vida das empresas com a cessação do estado de emergência mas num ambiente ainda não normalizado.

As principais conclusões relativas às empresas respondentes na 1.ª quinzena de maio de 2020 são as seguintes: