tableaupublic            

"Uma porta aberta para 

um Universo de Informação Estatística"

Menu

Portal de Estatísticas Oficiais

tableaupublic            

Newsletters

Não perca tempo, subscreva já as nossas newsletters e passe a receber informação na hora...

Subscrever

Subscreva as nossas newsletters:

Newsletters

Não perca tempo. Subscreva as nossas newsletters e passe a receber informação na hora...

No período 2012-2017

8,7% dos imóveis vendidos na RAM foram adquiridos por não residentes estrangeiros

A Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM) divulga, pela primeira vez, indicadores sobre as aquisições de imóveis por compradores não residentes estrangeiros na RAM para o período 2012-2017, possibilitando uma visão mais abrangente deste segmento do mercado de transações de imóveis na Região. A classificação de não residente estrangeiro tem por base o país de residência do comprador, que pode não corresponder ao seu país de nacionalidade.

Entre 2012 e 2017, foram transacionados 21 574 imóveis na RAM, dos quais 1 872 foram adquiridos por não residentes estrangeiros, correspondendo a uma percentagem de 8,7%. Desde 2015 que se verifica uma tendência de crescimento desta proporção, tendo-se, em 2017, registado o valor mais elevado, 9,8%, ou seja +0,2 pontos percentuais (p.p.) que no ano precedente.   

O total de imóveis vendidos na RAM entre 2012 e 2017 envolveu um montante de 1,8 mil milhões de euros, sendo que 200,4 milhões de euros dizem respeito às aquisições feitas por não residentes estrangeiros, ou seja, 11,1% do total. Foi em 2015 que se verificou a maior proporção no peso do valor dos imóveis adquiridos por não residentes face ao total (13,5%), tendo caído em 2016 (10,6%), para voltar a subir em 2017 (12,0%).

O valor médio dos prédios vendidos a não residentes em 2012-2017 foi de 107,1 mil euros, quase 28% superior ao valor médio das transações globais (83,9 mil euros).

Em 2017, catorze imóveis (2,9% do total) foram vendidos a não residentes por um valor unitário igual ou superior a 500 mil euros. Em termos de valor, a transação destes imóveis ascendeu a 10,7 milhões de euros (17,7% do valor total). O número e o valor dos imóveis adquiridos por não residentes com valor igual ou superior a 500 mil euros cresceu gradualmente na Região entre 2012 e 2017. De referir que foi neste período que se iniciaram, em termos efetivos, as “Autorizações de Residência em Portugal para Atividades de Investimento – ARI”, vulgarmente designadas por Vistos Gold.

A informação segundo o país de residência do comprador mostra que, no período 2012-2017, 21,6% do total do valor das aquisições de imóveis por não residentes estrangeiros foram feitas por residentes no Reino Unido. Segue-se a Venezuela com 14,2% e a França com 10,0%. Ainda no top-5 encontram-se a África do Sul (9,2%) e a Alemanha (8,9%).

Em 2017, a liderança coube à Alemanha (23,2%) e ao Reino Unido (21,2%), que são também os principais mercados turísticos da Região.

Dos 4 868 imóveis transacionados em 2017, 40,0% localizavam-se no município do Funchal, seguindo-se Santa Cruz (15,8%) e Calheta (14,8%). No que respeita ao valor transacionado, o Funchal concentrou 63,9% do total, surgindo depois Santa Cruz (16,2%).

No subconjunto referente a aquisições de imóveis feitas por não residentes, a Calheta liderou em número, com 152 vendas (31,9% do total), enquanto em valor destacou-se o Funchal com 29,0 milhões de euros (47,9% do total).

Note-se ainda que as compras de imóveis por não residentes são particularmente importantes para a Calheta, representando  46,1% do valor total dos imóveis transacionados. Segue-se a Ponta do Sol, onde 26,0% do valor total das vendas foram efetuadas a não residentes na Região.

Esta proporção foi de 12,0% para o total dos imóveis vendidos na RAM e acima desse valor encontravam-se ainda os municípios do Porto Moniz (18,0%), São Vicente (14,8%), Porto Santo (14,5%), Santana (13,2%), Santa Cruz (13,0%) e Ribeira Brava (12,8%).

No município do Funchal, apesar de se registar o maior valor absoluto de vendas de imóveis a não residentes, a proporção desse valor face ao total das transações em 2017 foi de 9,0%, abaixo do valor obtido para a Região.

De referir por fim que, do total de imóveis transacionados no país em 2017, a RAM representou 2,1% em número e em valor. Na fatia respeitante a aquisições feitas por não-residentes aquela percentagem sobe para 2,7% e 2,2% respetivamente. Como já foi anteriormente referido, a percentagem do valor dos imóveis adquiridos por não residentes estrangeiros, face ao valor total dos imóveis transacionados na RAM foi de 12,0%, superior à percentagem nacional que não ultrapassou os 11,5%.

Aquisição Imóveis Não Residentes

Para mais informação aceda a:

 

Cooperação Estatística Internacional

MAC14 20

Cooperação Estatística Internacional

MAC14 20

Literacia Estatística

formation3

Literacia Estatística

formation3
Go to top