DREM divulga Série retrospetiva da Banca e Seguros para a Região Autónoma da Madeira

A DREM publica hoje, pela primeira vez, uma série retrospetiva para o sector da banca e seguros na Região Autónoma da Madeira para o período 1997-2017. Esta série, que será atualizada anualmente, foi construída a partir de informação recolhida diretamente pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) ao longo daquele período.

No período 1997-2017

Estabelecimentos ligados à banca e seguros e respetivo pessoal ao serviço registaram diminuição na Região Autónoma da Madeira

Em 2017, a outra intermediação monetária (OIM), constituída por estabelecimentos de bancos, caixas económicas e caixa de crédito agrícola, mantinha em atividade na Região Autónoma da Madeira (RAM), 118 estabelecimentos. Este número cresceu até 2009, ano no qual atingiu o expoente de 182. A partir daí, foi diminuindo sucessivamente, sendo que face a 2016 regista-se um decréscimo de cinco estabelecimentos. Em 2017, exatamente metade (50,0%) dos 118 estabelecimentos de bancos, caixas económicas e caixa de crédito agrícola na RAM estavam concentrados no município do Funchal, surgindo Santa Cruz em segundo lugar com 11 estabelecimentos (9,3% do total). Apesar de ser apenas o sexto município da RAM com mais população, devido à sua extensão, a Calheta surge como o terceiro município com mais estabelecimentos bancários (9). O número de estabelecimentos de OIM por 10 000 habitantes, na RAM, em 2017, era de 4,7, igual ao verificado para o país. O Porto Moniz e a Calheta apresentavam os rácios mais elevados (8,4 e 8,2, respetivamente), surgindo no polo oposto, Câmara de Lobos e Santa Cruz, penalizados pela sua proximidade ao Funchal, com 2,4 e 2,5 estabelecimentos por 10 000 habitantes.  

Em termos de pessoal ao serviço, a evolução no período 1997-2017 apresenta uma tendência com alguma semelhanças, apesar do pico em termos de emprego na banca ter ocorrido em 2004, com 1 098 pessoas ao serviço. Em 2017, esse número era de apenas 653. O Funchal, concentrava naturalmente a maior parte, 60,2% do total, correspondente a 393 trabalhadores, sendo que Calheta, Machico, Câmara de Lobos, Santa Cruz e Ribeira Brava apresentavam números relativamente próximos, entre os 36 e 46 trabalhadores.  Por sua vez, os custos com pessoal, cuja trajetória está em linha com a do pessoal ao serviço, fixavam-se em 2017 nos 25,6 milhões de euros.

As comissões recebidas pelos estabelecimentos bancários localizados na Região atingiram, em 2017, 26,8 milhões de euros tendo crescido 22,2% face ao ano precedente, ano em que se registou o mínimo da série existente para esta variável.

Em 2017, os juros de depósitos de clientes também atingiram o nível mais baixo desde 1997, não ultrapassando os 17,4 milhões de euros.

BancaSeguros PT

No que respeita à atividade seguradora, foram contabilizados 13 estabelecimentos em 2017. No período 1997-2017, este número apresentou uma tendência de crescimento até 2008 e de recuo desde então. No que respeita ao pessoal ao serviço, a trajetória desde 1997 tem sido de redução, com apenas 58 pessoas ao serviço a serem registadas em 2017, menos 40 que em 1997. Os custos com aqueles 58 trabalhadores representavam cerca de 2,1 milhões de euros em 2017.

Os estabelecimentos de empresas de seguros localizados na Região emitiram em 2017, 68,0 milhões de euros de prémios brutos, +33,7% que no ano precedente. Olhando para o período de 2000 a 2017 observa-se que o pico desta variável foi em 2005 (76,5 milhões de euros), enquanto o valor mais baixo foi registado em 2010 (34,8 milhões de euros).

Para mais informação aceda a: