tableaupublic            

Menu

Portal de Estatísticas Oficiais

tableaupublic            

Newsletters

Não perca tempo, subscreva já as nossas newsletters e passe a receber informação na hora...

Subscrever

Subscreva as nossas newsletters:

Estatísticas da Justiça

Justiça

Newsletters

Não perca tempo. Subscreva as nossas newsletters e passe a receber informação na hora...

Cerca de metade das empresas tinham pessoal em teletrabalho na semana de 27 de abril a 1 de maio

A Direção Regional de Estatística da Madeira divulga hoje os resultados da 4.ª semana de inquirição (27 de abril a 1 de maio) do COVID-IREE – Inquérito Rápido e Excecional às Empresas, operação estatística criada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e o Banco de Portugal (BdP) para avaliar os efeitos da pandemia COVID-19 no tecido empresarial nacional.

Para a RAM – região cuja recolha de informação é feita pela Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM) – a taxa de resposta global na referida semana foi de 94%, representando 97% do pessoal ao serviço (NPS) e 96% do volume de negócios (VNN) das empresas da amostra. Tal como nas semanas anteriores, estas percentagens foram substancialmente superiores às verificadas no conjunto do país (62% na taxa de resposta global, representando 64% do NPS e 77% do VVN da amostra). Enquanto o inquérito permanecer ativo, a DREM solicita a colaboração das empresas madeirenses nesta importante monitorização, sendo que doravante o mesmo passará a ter uma frequência quinzenal e procurará acompanhar as alterações que se irão verificar na vida das empresas com a cessação do estado de emergência mas mantendo-se um conjunto de limitações à atividade económica visando a salvaguarda da saúde pública perante a pandemia.

Note-se que o inquérito na sua génese teve como objetivo apurar dados para o país, não estando desenhado para apuramentos ao nível de Região, sendo que a informação apresentada para a RAM corresponde exclusivamente aos dados das respostas obtidas, sem qualquer extrapolação. Por essa razão também, o conjunto de informação divulgada é reduzido, mormente quando comparado com a informação que tem vindo a ser disponibilizada no âmbito do COVID-IREE pelo INE.

As principais conclusões relativas às empresas respondentes na semana de 27 de abril a 1 de maio – muito idênticas à da semana anterior –  são as seguintes:

 

    • 73% das empresas estavam em produção ou em funcionamento e 26% temporariamente encerradas. A nível nacional, estas percentagens foram de 84% e 15%, respetivamente;

    • 87% das empresas referiram que a pandemia conduziu a uma diminuição no volume de negócios e 11% assinalaram não existir impacto. No país, as percentagens correspondentes a estas situações foram, pela mesma ordem, de 79% e 17%;

    •  51% das empresas declararam uma redução superior a 50% no volume de negócios e 33% uma diminuição entre 10% e 50%. A nível nacional, 39% das empresas reportaram uma redução superior a 50% do volume de negócios;

    • As restrições no contexto do estado de emergência e a ausência de encomendas/clientes foram, por esta ordem, os motivos principais para a diminuição do volume de negócios;

    • 68% das empresas respondentes reportaram reduções no pessoal ao serviço efetivamente a trabalhar, enquanto 31% informaram não ter havido impacto, sendo que no país estas percentagens foram de 57% e 42%, respetivamente;

    • 39% declararam uma redução superior a 50% no número de funcionários efetivamente a trabalhar e 16% apontaram para diminuições entre 10% e 50%. A nível nacional apenas 25% reportaram uma redução acima de 50%;

    •  O layoff simplificado foi apontado por 64% das empresas como relevante ou muito relevante para a redução do número de pessoas ao serviço. No país o valor foi de 59%;

    • Perto de metade das empresas respondentes (mais precisamente 49%) tinham pessoas em teletrabalho, sendo que 14% contabilizava mais de 50% do pessoal ao serviço efetivamente a trabalhar em teletrabalho. Estas percentagens são inferiores às do país, onde a percentagem de pessoas em teletrabalho nas empresas ascendia aos 58%, com 20% das mesmas a declarar que mais de 50% do seu pessoal estava em teletrabalho;

    • 45% das empresas já beneficiaram ou planeiam beneficiar da moratória de créditos, 68% do acesso a novos créditos, enquanto a suspensão do pagamento de obrigações fiscais e contributivo está nos planos de 50% das empresas;

    •  20% das empresas em funcionamento ou temporariamente encerradas aumentaram o recurso ao crédito na semana anterior à de referência do inquérito, sendo que na maioria dos casos, os novos créditos apresentaram condições semelhantes às anteriormente praticadas.

GRAF 2701 PT

    Cooperação Estatística Internacional

    MAC14 20

    Cooperação Estatística Internacional

    MAC14 20

    Literacia Estatística

    formation3

    Literacia Estatística

    formation3
    Go to top