tableaupublic            

Menu

Portal de Estatísticas Oficiais

tableaupublic            

Newsletters

Não perca tempo, subscreva já as nossas newsletters e passe a receber informação na hora...

Subscrever

Subscreva as nossas newsletters:

Estatísticas da Justiça

Justiça

Newsletters

Não perca tempo. Subscreva as nossas newsletters e passe a receber informação na hora...

32% das empresas estima serem necessários mais de 6 meses para que o seu volume de negócios volte ao normal

A Direção Regional de Estatística da Madeira (DREM) divulga hoje os resultados da 1.ª quinzena de junho de 2020 do COVID-IREE – Inquérito Rápido e Excecional às Empresas, operação estatística criada pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e o Banco de Portugal (BdP) para avaliar os efeitos da pandemia COVID-19 no tecido empresarial nacional.

Para a RAM – região cuja recolha de informação é feita pela DREM – a taxa de resposta global na referida semana foi de 96%, representando 98% do pessoal ao serviço (NPS) e 99% do volume de negócios (VNN) das empresas da amostra. Tal como nas semanas anteriores, estas percentagens foram substancialmente superiores às verificadas no conjunto do país (64% na taxa de resposta global, representando 68% do NPS e 79% do VVN da amostra).

Note-se que o inquérito na sua génese teve como objetivo apurar dados para o país, não estando desenhado para apuramentos ao nível de Região, sendo que a informação apresentada para a RAM corresponde exclusivamente aos dados das respostas obtidas, sem qualquer extrapolação. Por essa razão também, o conjunto de informação divulgada é reduzido, mormente quando comparado com a informação que tem vindo a ser disponibilizada no âmbito do COVID-IREE pelo INE.

As principais conclusões relativas às empresas respondentes na 1.ª quinzena de junho de 2020 são as seguintes:

  • 84% das empresas estavam em produção ou em funcionamento e 15% temporariamente encerradas. A nível nacional, estas percentagens foram de 95% e 4%, respetivamente. Apesar do diferencial para o país, a percentagem de empresas em funcionamento nesta quinzena é superior à verificada na 2.ª quinzena de maio (82%) e a mais elevada desde que o COVID-IREE começou a produzir resultados (6 a 10 de abril);
  • Comparativamente à situação expectável sem pandemia, 79% das empresas continuaram a reportar um impacto negativo no volume de negócios e 14% assinalaram não existir impacto. No país, as percentagens correspondentes a estas situações foram, pela mesma ordem, de 68% e 25%;
  • 38% das empresas declararam uma redução superior a 50% no volume de negócios e 33% uma diminuição entre 10% e 50%. A nível nacional, 25% das empresas reportaram uma redução superior a 50% do volume de negócios;
  • Quando se compara a 1.ª quinzena de junho com a 2.ª quinzena de maio, 41% das empresas apontam para uma estabilização do volume de negócios, sendo que 37% indicam um aumento. A nível nacional, as percentagens para as duas situações atrás referidas (estabilização ou aumento) são de 38% e 35%, respetivamente;
  • 32% das empresas referiram que o seu volume de negócios deverá demorar mais de seis meses a regressar ao nível normal e 17% apontaram para três a seis meses. No país, pela mesma ordem, os valores foram de 24% e 19%;
  • A evolução das encomendas/clientes foi o principal fator referido pelas empresas com redução de volume de negócios neste período, enquanto a alteração das medidas de contenção foi o motivo mais citado pelas empresas que reportaram aumentos;
  • Face à situação expectável sem pandemia, 45% das empresas respondentes continuaram a reportar reduções no pessoal ao serviço efetivamente a trabalhar (39% no país), representando 46% do pessoal ao serviço das empresas respondentes. 49% informaram não ter havido impacto (39% do total de pessoal ao serviço das empresas respondentes), sendo que no país a percentagem foi de 56%;
  • 23% declararam uma redução superior a 50% no número de funcionários efetivamente a trabalhar e 13% apontaram para diminuições entre 10% e 50%. A nível nacional apenas 12% reportaram uma redução acima de 50%;
  • Comparando a situação na 1.ª quinzena de junho com a 2.ª quinzena de maio, 68% das empresas não reportaram alterações no número de pessoas ao serviço, sendo que a nível nacional o valor foi idêntico (68%). Por outro lado, 24% das empresas declararam aumentos de pessoal;
  • A redução do número de pessoas ao serviço em layoff simplificado foi o motivo com impacto positivo mais referido pelas empresas que reportaram um aumento de pessoal ao serviço efetivamente a trabalhar;
  • 41% das empresas respondentes tinham pessoas em teletrabalho e 40% das empresas registavam a existência de pessoal a trabalhar em presença alternada nas instalações da empresa devido à pandemia. Estas percentagens são inferiores às do país, onde os valores foram de 47% e 44% respetivamente;
  • 37% das empresas beneficiaram ou planeiam beneficiar da moratória de créditos, 59% do acesso a novos créditos, enquanto a suspensão do pagamento de obrigações fiscais e contributivo está nos planos de 44% das empresas;
  • Cerca de 80% das empresas considera pouco ou nada provável a alteração de forma permanente da sua atividade devido à pandemia COVID-19 (75% a nível nacional). As alterações referidas como muito prováveis pelas empresas são o reforço do investimento em tecnologias de informação (20% das empresas), o redirecionamento dos mercados alvos (9% das empresas) e o aumento do recurso ao teletrabalho (7% das empresas). A nível nacional estas percentagens são de 25%, 16% e 17%, respetivamente.

 

covid graf pt

 

Cooperação Estatística Internacional

MAC14 20

Cooperação Estatística Internacional

MAC14 20

Literacia Estatística

formation3

Literacia Estatística

formation3
Go to top